Notícias

Assis questiona suposta recuperação econômica brasileira

10 ago 2017

Em discurso, na Câmara Federal, o deputado Assis Carvalho questionou a suposta recuperação econômica do Brasil, que foi usada como justificativa por vários parlamentares para rejeitar a denúncia por corrupção contra Michel Temer. Ao todo, 263 parlamentares escolheram livrar Michel Temer das investigações, por crime comum, pelo Supremo Tribunal Federal.

Foto: Mariana Lahud

Foto: Mariana Lahud

Para Assis, os parlamentares que “optaram por colocar suas digitais e impedir a continuidade do processo não agiram de acordo com a vontade da população e dos seus eleitores. Aliás, vale lembrar que apenas 5% da população brasileira aprova o governo de Michel Temer. É o presidente da república com a menor aprovação positiva desde a redemocratização brasileira”.

Durante votação, muitos dos deputados alegaram a necessidade de estabilidade institucional no país e argumentaram que Temer deveria permanecer no cargo para dar continuidade ao crescimento e à recuperação econômica do Brasil.

Entretanto, o parlamentar apresentou números do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE, que mostram que a realidade brasileira é bem diferente do que argumentam e justificam os deputados que salvaram Michel Temer.

“As vendas no varejo – que continuam estagnadas e apresentaram queda de 1,9% no mês de março – foi o pior resultado para o comércio varejista brasileiro em 14 anos”, citou Assis.

Quando se referiu à taxa de desemprego, “percebemos o aumento durante o governo Temer. O comparativo entre o primeiro trimestre de 2016 e o mesmo período de 2017, mostra a variação de 10,9% nos primeiros três meses do ano passado para 13,7% no mesmo período deste ano, ou seja, sofreu um aumento de 2,8 pontos percentuais. É a maior taxa de desocupação da série histórica iniciada pelo IBGE em 2012”, complementa.

Além disso, em seu discurso, ele relata que o volume de serviços também não apresentou a tão falada recuperação. E, ao contrário do que pregam os defensores de Michel Temer, a queda entre os governos Dilma e Temer foi de 5%.

Diante dos dados, fica o questionamento: de qual recuperação econômica falam os deputados que votaram a favor de Michel Temer?